O que Zaqueu e o sicômoro nos ensinam

O sicômoro criou uma linha de visão clara para Zaqueu. Isso o ajudou a se destacar da multidão e ver o Senhor claramente. Isso o colocou na posição certa para o convite que se seguiria. Jesus disse a ele para descer porque ele estava indo para sua casa! Imagine a emoção. Para nós, o sicômoro é um símbolo daquele lugar em nossas próprias vidas que nos permite ter uma visão clara de Jesus. Zaqueu não hesitou. Com a mesma falta de cautela que havia demonstrado ao subir na árvore, ele desceu para ficar na presença do Deus Encarnado. Lá ele ouviu o chamado que mudaria para sempre sua vida. Assim pode ser com todos nós. Quando Deus chama, temos apenas uma escolha: responder sem reservas.

Por onde Jesus está passando em nossas vidas? Ele sempre aparece para aqueles que têm seus olhos espirituais abertos para vê-Lo. Que tal em nosso local de trabalho? E em nossos relacionamentos? E em nossas famílias?Estamos correndo para encontrá-lo? Ou estamos com medo? Estamos nos perguntando "se o virmos, o que Ele nos pedirá?" O convite desta história é escalar aquele sicômoro; para encontrar o lugar que tornará possível que vejamos Jesus.

No último capítulo do Evangelho de São João, lemos “Há também muitas outras coisas que Jesus fez, mas se essas fossem descritas individualmente, não acho que o mundo inteiro conteria os livros que seriam escritos.” (João 21:25) Este versículo ressalta a importância das histórias que são realmente registradas nos Evangelhos. As pessoas a quem somos apresentados nesses relatos maravilhosos foram selecionados entre muitos outros com um propósito específico. Eles podem nos colocar em contato com o Senhor, com nós mesmos e com o propósito de nossas vidas. Com a oração e a reflexão, eles se tornam um convite à conversão. Assim, São Lucas nos apresenta um coletor de impostos chamado Zaqueu:

Naquela época, Jesus veio a Jericó e pretendia passar pela cidade. Agora, um homem lá chamado Zaqueu, que era o principal coletor de impostos e também um homem rico, estava procurando ver quem era Jesus, mas não conseguiu vê-lo por causa da multidão, pois ele era de baixa estatura.

"Então ele correu na frente e subiu num sicômoro para ver Jesus, que estava para passar por ali. Quando ele chegou ao lugar, Jesus olhou para cima e disse:" Zaqueu, desce rápido, porque hoje devo ficar na sua casa. lar."

"E ele desceu rapidamente e o recebeu com alegria. (Quando todos viram isso, começaram a resmungar, dizendo:" Ele foi para a casa de um pecador. "Mas Zaqueu ficou lá e disse ao Senhor: “Eis que metade dos meus bens, Senhor, eu darei aos pobres, e se eu extorquir alguma coisa de alguém, eu o reembolsarei quatro vezes.” (Mais do que o que a Lei exigia) “E Jesus disse a ele:” Hoje a salvação veio a esta casa porque também este homem é descendente de Abraão. Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que estava perdido. ”(São Lucas 19, 1-10)

A essa época, Israel estava sob ocupação romana. Um imposto injusto foi cobrado por pessoas como Zaqueu, que trabalhava para o opressor. Eles ganhavam a vida adicionando uma sobretaxa extra para si próprios. Esses judeus foram considerados traidores. No entanto, eles ainda eram judeus, filhos da Aliança e filhos de Abraão, tentando ganhar a vida. Zaqueu não era diferente de alguns de nós em nossos dias, separando "o que fazemos" de "quem somos".

"Afinal", podemos dizer a nós mesmos, "estamos simplesmente tentando ganhar a vida." No entanto, Zaqueu queria ver Jesus mais do que manter seu conforto econômico. Jesus sabia disso. Ele tinha ido a Jericó naquele dia procurando salvar os perdidos. Ele conhecia Zaqueu como conhece cada um de nós. As "multidões" ao redor de Zaqueu podem tê-lo considerado indigno do encontro que estava para ocorrer, mas Deus não o viu assim. Jesus viu o coração de Zaqueu e atraiu-o para si.

Cada um de nós deve encontrar esperança nesta história porque, literal ou figurativamente, fizemos concessões em nossas vidas. Talvez em nosso trabalho, por deixar de viver plenamente as implicações de nossa fé. Talvez em nossa família, por deixar de amar da maneira que sabemos que devemos, sacrificialmente.

Talvez em nosso "tempo livre" - cedendo a atividades que sabemos que realmente conduzem à escravidão. A "Boa Nova" é que, não importa o que tenha acontecido em nosso passado, Jesus caminha pelas ruas empoeiradas de nossas próprias vidas neste dia. Ele vem por nós. Vamos aprender algumas lições com Zaqueu sobre a vida em um sicômoro.


1.Lembre-se que Deus já está lá:

Jesus já sabia que Zaqueu estava em Jericó. Ele o tricotou no ventre de sua mãe (Salmo 139: 13-16) e sabia tudo sobre ele. Na verdade, o Senhor veio a Jericó por causa de Zaqueu. Ele não precisava chamar a atenção do Senhor e nem nós. Jesus entra em cada uma de nossas vidas, nos procurando, porque ainda vem para”. Buscar e salvar o que se perdeu".

Frequentemente pensamos na vida cristã em termos de nossos esforços para alcançar Deus e fazer Sua vontade. Porém, o oposto é o que realmente ocorre. Deus nos busca e nós respondemos. No entanto, precisamos nos "posicionar" para a reunião. Zaqueu subiu naquela árvore para ver Jesus; ele se posicionou para o encontro; o chamado, a vocação que Lhe foi dada naquele dia maravilhoso. Aquelas palavras do Mestre " Hoje a salvação veio a esta casa porque este homem também é descendente de Abraão. Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que estava perdido." moldariam para sempre suas respostas futuras ao convite contínuo de Deus. Ele nunca mais seria o mesmo.

A vida cristã é sobre a ação de Deus e nossa resposta ao que Ele já está fazendo. Jesus nos lembra: "Você não me escolheu, mas eu te escolhi" (João 15:16). Zaqueu serve para nos lembrar quem escolhe e quem responde. Na raiz da palavra "vocação", está a palavra latina "voca", que significa "voz". Zaqueu nos ensina a aprender a ouvir a voz de Deus em nossa vida pessoal e a responder sem reter nada. Ele também nos ensina a procurar Jesus ao longo do caminho da vida.


2.Concentre-se no Senhor, não "na multidão".

A fé não é uma experiência vicária. Enquanto outros podem ajudar a nos levar a Jesus, Ele chama nosso nome e devemos responder pessoalmente. Não apenas uma vez, mas todos os dias, a cada momento. A fé é uma porta para um relacionamento íntimo e dinâmico contínuo com um Deus vivo e amoroso que, em Jesus Cristo, veio buscar e salvar os perdidos. Jesus nos lembra: "Você não me escolheu, mas eu escolhi você". (João 15:16)

Zaqueu subiu naquela árvore para ver o Senhor, não para ser visto por Jesus. Ele não se importava com o que a multidão pensava de um homem adulto subindo em uma árvore! Ele foi atrás do encontro com Jesus Cristo com uma simplicidade infantil e um abandono temerário. As "multidões" em nossas vidas raramente nos levam a Deus. Lembram-se da troca com Simão Pedro registrada no Evangelho de São Mateus, capítulo dezesseis? Jesus pergunta aos discípulos: “Quem os homens dizem que eu sou". Eles lhe contaram o que as "multidões" falavam sobre ele. "Alguns dizem que são João Batista, outros, Elias ..." Jesus então falou pessoalmente com Simão e perguntou ".mas você, quem é, dizem que eu sou."

Pedro respondeu: " Você é o Cristo ". Você quase pode sentir a alegria saltando da página do texto bíblico quando você lê as palavras de Jesus que seguem a resposta de Pedro: " Bendito sejas Pedro porque a carne e o sangue não te revelaram isso, mas meu Pai que está nos céus "

No convite do Senhor e na resposta de Simão, encontramos o alicerce para uma fé viva. Simão foi mudado para sempre, significado biblicamente pela mudança de seu nome, sua identidade, para "Pedro". Deixou de ser um seguidor entusiasta, por vezes inconstante, a uma "rocha", um líder configurado à imagem d’Aquele a quem servia.

Ele passaria o resto de sua vida respondendo a esse chamado e, eventualmente, derramaria seu próprio sangue em amor obediente por Jesus Cristo como um mártir.


3.Sempre procure Jesus Passando

Jesus ainda vem buscar e salvar o que está perdido. Ele ainda vem à casa de todos os que abrem amplamente o coração à Sua presença e estão dispostos a viver uma vida banhada pela luz de Seu fogo refinador. Quando vemos Jesus na estrada de Jericó de nossas próprias vidas, somos convidados a exercer nossa fé, a escolhê-lo e a mudar. Ele não muda o relacionamento. Ele é o mesmo "ontem, hoje e sempre" (Hebreus 13: 8).

A oração não é, em primeira instância, fazer com que Deus faça o que queremos. Trata-se de entrar em comunhão íntima com Ele e n’Ele, e depois permanecer (João,15). Nesse relacionamento, nós O convidamos a nos mudar e aprendemos a entregar tudo a Ele em amor.

Quão extraordinário é este maravilhoso amor de Deus e quão difícil é compreender seu convite. O Deus de todo o universo veio entre nós como um homem para nos mostrar o amor do Pai e como agora somos convidados e capacitados, por meio de Sua vida, morte e ressurreição, para viver neste mundo e nos preparar para o próximo. Zaqueu nos ensina sobre a vida de cima de uma árvore. Aprendamos a viver, então, sempre em busca de Jesus.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo